5 razões para adotar cloud

5 razões para adotar cloud

A rápida adoção de serviços e negócios na nuvem traz inúmeras vantagens competitivas para as empresas

Após anos de debate e várias previsões sobre quando a nuvem seria amplamente adotada, em 2015 a utilização de nuvem cresceu e vem se consolidando em 2016. Em alguns países europeus, como a Inglaterra, 84% das organizações relatam ter pelo menos um serviço já implantado na nuvem, contra 48% em 2010 (1) – um crescimento muito expressivo. Podemos dizer que a nuvem já alcançou grande popularidade. Essa mesma tendência já chegou, inclusive, na América Latina.

As principais razões para a nuvem agora ser a regra são:

1) A redução de custo com a tecnologia em nuvem é difícil de ignorar. As pesquisas demonstram que as empresas reconhecem a economia alcançada ao longo do tempo como resultado da redução de custos apenas com licenciamento de software. De fato, em um estudo recente da IDC foi possível verificar que nas soluções em nuvem o retorno médio sobre o investimento é de cinco meses e meio, e que o ROI em 5 anos pode chegar a 560%, muito acima de qualquer outro modelo de investimento em tecnologia (2).

2) A flexibilidade e escalabilidade oferecidas por soluções de cloud computing são muito atraentes para as empresas que têm como foco a inovação para atender às suas estratégias de crescimento, seja por meio da abertura ágil e fácil de novas filiais, ou para lançar um novo produto no mercado de acordo com a demanda dos clientes.

3) A nuvem tem a opção de ser híbrida, um conceito relativamente novo, suportado por novas tecnologias de gestão. Em vez de ficar em um dilema entre a nuvem e on-premise, as empresas podem utilizar o melhor de cada um, escolhendo o que encaixa melhor em cada necessidade. Com as novas tecnologias, como o Azure Stack e o Operation Management, as empresas podem ter uma única solução gerenciando a infraestrutura local e na nuvem de forma centralizada. Este novo tipo de aplicações em nuvem também inclui colaboração social para facilitar o compartilhamento de informação, que envolve a geração “Y” e sua força de trabalho, dados analíticos transformados em informações de negócio e funcionalidade específicas que eliminam as lacunas em um sistema único para todas as empresas.

4) Os mesmos softwares e sistemas que você tem localmente são os que estão disponíveis na nuvem. No início, as soluções de nuvem ofereciam versões restritas dos sistemas, mas isso já faz parte do passado! Atualmente, os softwares oferecidos na nuvem são exatamente os mesmos que você tem em seu próprio data center. Na verdade, a nuvem pode oferecer mais opções do que você teria localmente.

5) A segurança já foi comprovada em diversos debates e fóruns de discussão. Estudos recentes mostram que 94% das empresas percebem maior benefício de segurança desde a adoção da tecnologia em nuvem para sua infraestrutura.

A cloud já é uma realidade na maior parte das empresas, e adotá-la em sua empresa não se trata mais de uma questão de inovação, mas sim de sobrevivência. À medida que a escala da nuvem aumenta e as soluções locais diminuem, ficará progressivamente mais caro manter seu próprio data center.

Uma das evidências de como o modelo de nuvem é funcional é o seu uso por marcas como a Netflix, Pinterest, Salesforce, entre outras, que desenvolveram todo o seu negócio na nuvem e se tornaram em pouco tempo marcas de renome mundial. Ao avaliar os caros data centers, sistemas pesados e pouco ágeis, planos de recuperação de desastres em tempos de crise e uma crescente consciência ambiental, resistir à mudança não será fácil.

(1) UK Cloud Adoption & Trends For 2016 – Cloud Industry Forum

(2) Randy Perry, IDC Whitepaper, “The Business Value of Amazon Web Services Accelerates Over Time” Maio de 2015

 

Sobre o autor
Marcelo Brunner
Com formação profissional em conceituadas instituições, como Unicamp e Fatec, Marcelo Brunner tem mais de 20 anos de experiência em tecnologia, tanto na área técnica quanto comercial. Empresário de sucesso, hoje busca difundir tecnologias inovadoras que melhorem a performance das empresas.

Deixe uma resposta